Conjecturas sobre o “transporte virtual” no Comex

 

(será interessante a leitura do artigo anterior “Seguro: veículos autônomos e drones” no seguinte link  http://blogdosamirkeedi.com.br/?p=2491

 

O mundo está mudando muito rapidamente. Difícil acompanhar tudo que está acontecendo. E há coisas inimagináveis até há pouco tempo. Até há alguns anos ninguém poderia imaginar os veículos autônomos. Já escrevemos sobre isso e os impactos sobre o seguro de carga. Que deverá mudar radicalmente.

Há poucos meses recebemos a notícia de um navio autônomo, de 80 metros de comprimento, para 120 containers. Que atracará, embarcará e desembarcará os containers por si só, sem tripulação. Agora soubemos de um trem autônomo, puxado por três locomotivas, na Austrália, transportando 28.000 toneladas de minério de ferro. E o processo atingirá toda a cadeia de transporte e logística no futuro. Em pouquíssimas décadas ninguém mais deverá saber o que é dirigir um veículo qualquer. Nem avião, que certamente também entrará na onda de mudanças.

Isso já bastaria para mudar radicalmente nossas vidas, em especial o comércio exterior, nossa seara. Mas, não bastasse isso, estamos convivendo com novas tecnologias que podem, simplesmente, eliminar o transporte e a logística como a conhecemos hoje.

Que é a impressão 3D. A coisa boa é que será uma solução favorável ao Brasil, que sempre dissemos não ter logística, e o que temos é o pior do mundo entre países que contam e devem ser considerados nas estatísticas. Quiçá da Via Láctea. Aqui fazemos transporte, não logística.

Qual o impacto da impressão 3D para o transporte, a logística, o comércio exterior. O que começou com pequenas coisas está se expandindo de forma tal que devemos começar a pensar mais seriamente nela com relação a transporte interno e entre países. Que deverá afetar de forma decisiva o comércio exterior.

Hoje planejarmos uma peça qualquer, produzimos e transportamos por veículos convencionais. Com todo o procedimento largamente conhecido e utilizado há milênios. Primeiro nos próprios ombros com as próprias pernas, depois com veículos muito rudimentares e, com o tempo, com os veículos hoje conhecidos. E aí, com eles, o desenvolvimento da logística de transporte largamente conhecida. E se desenvolvendo continuamente.

O que o futuro nos sugere é que esse processo irá sendo abandonado aos poucos. Até sua extinção final. Pelos menos entendemos que isso ocorrerá fatalmente. Se a humanidade, beligerante, chegar até lá. Esperamos que sim.

O novo processo será o planejamento da peça e o seu envio para impressão 3D no destino. E, claro, sem dúvida, para controle da produção e direitos sobre o produto, impressão a partir do país de origem da peça planejada. Se for possível controlar isso, e entendemos que deverá ser.

E isso, claro, deverá se aplicar não apenas a peças. Nem somente a pequenas. Esse é um processo que deverá atingir tudo. Grandes e enormes peças. Partes de um todo imenso. Talvez, o máximo de mão de obra externa ao planejamento em impressão, seja a montagem. Mas, não devemos descartar a construção de impressoras gigantescas, para que a montagem também seja eliminada.

Aí entra a questão da mudança radical do transporte e logística. Que poderá ser drasticamente reduzido ou, quiçá, eliminado.

Claro que isso favorecerá a qualidade de vida no planeta. A humanidade entrará em nova era de prosperidade, aumentando a felicidade.

Mas, voltando ao comércio exterior, outras coisas importantes serão fortemente ou radicalmente afetadas.

Uma delas é o seguro de transporte, que poderá desaparecer. Tanto de veículos particulares, como de carga, nacional e internacional. As seguradoras deverão se reinventar e focar nas outras formas existentes hoje, e a serem criadas. Como vida, saúde, previdência, patrimonial, etc. Afinal, essas coisas continuarão existindo. Somente poderão ser tratadas de forma diferente.

Mas, e quanto ao transporte de carga? Isso poderá ser mais problemático. Não é como o seguro que apenas mudará de forma, de patamar. O transporte poderá desaparecer. A impressão 3D terá a capacidade de torna-lo obsoleto. Ou, pelo menos, torná-lo minúsculo, residual.

As fabricantes de peças e montadoras de veículos de carga como rodoviários, ferroviários, aéreos, poderão desaparecer. Igualmente os estaleiros para produção de navios de carga. Terão que sobreviver com transporte de passageiros. O que também, possivelmente, poderá ter um novo transporte, como o Drone.

Isso, indo bem mais além, se o teletransporte, que costumamos citar a nossos alunos, não tornar todos os meios de transporte obsoletos. O que não está fora do nosso radar para a segunda metade deste século. Se demorar tanto.

Portanto, o transporte de carga, em nossa opinião, está em cheque e temos que começar a pensar seriamente nisso. Claro que aos poucos, pois nada acontecerá radical e tão rapidamente.

 

Aduaneiras 03/08/2018

Author: Samir Keedi

-Mestre (Stricto Sensu) e pós-graduado (Lato Sensu) em Administração pela UNIP-Universidade Paulista. -Bacharel em Economia pela PUC-Pontifícia Universidade Católica. -Profissional de comércio exterior desde março de 1972. -Especialista em transportes; logística; seguros; incoterms; carta de crédito e suas regras; documentos no comércio exterior; contratos internacionais de compra e venda. -Generalista em várias atividades em comércio exterior. -Consultor em diversos assuntos relativos ao comércio exterior. -Professor universitário de graduação e pós graduação desde 1996. -Professor e instrutor técnico desde 1996. -Palestrante em assuntos de comércio exterior e economia. -Colunista em jornais e revistas especializadas. -Autor de vários livros em comércio exterior. -Tradutor oficial para o Brasil do Incoterms 2000. -Representante do Brasil na CCI-RJ e Paris na revisão do Incoterms 2010.

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *