Brasil: que país é este?

 

Estamos tomando emprestado para o título a frase criada em 1976, pelo famigerado ex-presidente da Arena, legenda do governo militar, Francelino Pereira. Que, em 1987, Renato Russo transformou num refrão.

Por que a tomamos emprestado também? O momento é muito grave, e poucos perceberam. Por isso, também bradamos, “que país é este?” Temos um país fervilhando, correndo célere para se transformar em uma Venezuela.

E, por não perceberem, estão permitindo que os maus brasileiros destruam o país, mais do que a esquerda fez entre 1995 a 2018. E os civis desde 1985.

Temos uma camada de brasileiros tão desinformados que assusta. Mas, o pior, é aquela camada da população que é massa de manobra daqueles informados, mas mal intencionados.

Os comandantes que manobram a massa desinformada são os políticos, artistas, a imprensa, os ditos movimentos sociais (sic) que querem ver apenas seus próprios interesses. O Brasil? Que acabe, conquanto eles continuem a ter boa vida. E quem são os manobrados? A classe operária desinformada, os ditos inteligentes, bem de vida, extraordinariamente desinformados e, claro, uma pena, estudantes. Isso devido a qualidade do ensino neste país, salvo exceções, que não consegue formar, exceto uma minoria, de seres pensantes, que separem o joio do trigo.

Os brasileiros continuam vivendo na década de 1940, quando se vivia, na média, 45 anos. Hoje a expectativa de vida média é de 75 anos. Muitos vivendo até 85-90 anos. E querem a mesma previdência de 1940. Ninguém pensa no futuro, nos seus filhos e netos. Apenas em si e agora.

Neste momento temos protestos pelo país todo contra o dito corte de verba das universidades em 30%. É uma desinformação completa, ampla, total e irrestrita. Em primeiro lugar não é corte, é contingenciamento. Em segundo lugar, não é sobre 100% da verba, pois 80% são fixos e não se pode mexer nesse dinheiro. Portanto, é apenas sobre 20%. Assim, são 30% sobre 20%, ou seja, 6%. E, isso foi feito nos governos comunistas que os estudantes, imprensa, artistas, etc. sempre defenderam, e nunca reclamaram.

Estamos vendo o congresso interferindo na redução de ministérios. Na mudança de órgãos para ministérios. Isso é prerrogativa do executivo, não do legislativo destruidor. Estão dando um golpe no país, e devem ser parados pelos bons.

Todos esses não focam no que interessa. No que tem sido feito, no que já foi enviado ao congresso para discutir, e aprovar, mudar ou rejeitar. Só se foca nas picuinhas, no que não interessa. Quando um filho do presidente diz alguma bobagem, isso vira assunto, e não os interesses do país.

Segundo Paulo Guedes, já há várias reformas prontas ou quase, para envio ao congresso. Mas, o que interessa? O que interessa são as fofocas, e o non-sense do prefeito de Nova York. O que interessa é prejudicar o governo. Hoje, finalmente, temos novamente um governo liberal, bem-intencionado, e o que acontece? Será que a Inglaterra, EUA, Alemanha e outros, são ricos por que são comunistas? Até hoje a Alemanha está pagando pelo comunismo na sua parte oriental.

Tudo que temos a recomendar ao presidente e ministros da Economia e Justiça é a renúncia. São bem sucedidos, não precisam disso. Vão para casa, parem de se desgastar com um povo que quer ser a Venezuela.

Jornal DCI de 22/05/2019

Avatar

Author: Samir Keedi

-Mestre (Stricto Sensu) e pós-graduado (Lato Sensu) em Administração pela UNIP-Universidade Paulista. -Bacharel em Economia pela PUC-Pontifícia Universidade Católica. -Profissional de comércio exterior desde março de 1972. -Especialista em transportes; logística; seguros; incoterms; carta de crédito e suas regras; documentos no comércio exterior; contratos internacionais de compra e venda. -Generalista em várias atividades em comércio exterior. -Consultor em diversos assuntos relativos ao comércio exterior. -Professor universitário de graduação e pós graduação desde 1996. -Professor e instrutor técnico desde 1996. -Palestrante em assuntos de comércio exterior e economia. -Colunista em jornais e revistas especializadas. -Autor de vários livros em comércio exterior. -Tradutor oficial para o Brasil do Incoterms 2000. -Representante do Brasil na CCI-RJ e Paris na revisão do Incoterms 2010.

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *